13 de nov de 2009

A hora e a vez dos que nunca tiveram vez


“Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento.”
I Coríntios 1,26


É maravilhoso entender como o Reino de Deus quebra com todas as convenções humanas, e traz uma nova perspectiva do que é sabedoria, força e riqueza. O evangelho é realmente uma boa notícia de Deus a todos aqueles que nunca tiveram vez alguma neste mundo: Deus não discrimina os pequenos, os fracos e os humildes, mas os valoriza e os faz agentes de seu Reino. Ao introduzir a primeira carta aos coríntios, Paulo abre as cortinas de um evangelho que segue na contramão do mundo, e traz uma mensagem que provoca uma verdadeira inversão de valores para a sociedade.


1 – A hora e a vez dos fracos

“Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados... poucos eram poderosos.”

Quando Davi foi ungido rei na casa de seu pai Jessé, o profeta Samuel teve grande dificuldade em entender que Deus estava escolhendo um pastor de ovelhas, extremamente jovem, sem nenhuma aparência de soldado, como o grande comandante de Israel.

Pois, “O SENHOR não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o SENHOR vê o coração”, e para mostrar que “... a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem” ,Deus fez de Davi o general mais vitorioso e o rei mais importante da história de Israel.

O próprio Davi diria a Golias antes de vencê-lo : “Você vem contra mim com espada, com lança e com dardos, mas eu vou contra você em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou.”

Mais tarde o nosso salvador seria chamado de o filho de Davi, pois “ Deus ... escolheu o que para o mundo é fraqueza para envergonhar o que é forte.” (I Co 1,27)

2 – A hora e a vez dos pobres

“Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados... poucos eram de nobre nascimento.”

A inversão dos valores que o Reino de Deus nos apresenta é revolucionária, “Ele escolheu o que para o mundo é insignificante, desprezado e o que nada é, para reduzir a nada o que é.” (I Co 1,28)

O próprio Senhor Jesus afirma: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres.” (Lc 4,18), como cumprimento da profecia de Isaías, Jesus se apresenta como libertador de Israel e os primeiros a receberem esta notícia são os mais humildes.

Deus em toda a história da salvação escolheu pessoas simples para proclamar e trazer seu Reino ao mundo. Escolheu pessoas como José e Maria, que na sua simplicidade receberam o privilégio de cuidar do menino Deus. O cântico de Maria retrata a alegria dos humildes que foram lembrados e agraciados por Deus:

"Então disse Maria: Minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, pois atentou para a humildade da sua serva. De agora em diante, todas as gerações me chamarão bem-aventurada ... Ele realizou poderosos feitos com seu braço; dispersou os que são soberbos no mais íntimo do coração. Derrubou governantes dos seus tronos, mas exaltou os humildes. Encheu de coisas boas os famintos, mas despediu de mãos vazias os ricos." (Lc 1,46-53)

3 – A hora e a vez dos incultos

“Irmãos, pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos.”

Paulo nos alerta que o conhecimento que leva a salvação não é o saber dos cultos e iniciados na filosofia humana, mas o ato de abrir o coração para a mensagem da cruz “Pois Cristo me enviou para pregar o evangelho, não porém com palavras de sabedoria humana, para que a cruz de Cristo não seja esvaziada.” (I Co 1,17)

Muitos são os excluídos da sabedoria e do conhecimento deste mundo. Muitos são aqueles que são privados da boa educação e da oportunidade a cultura. Mas a boa notícia aos simples é de que o conhecimento que leva a salvação esta na loucura da pregação da cruz. Pois está escrito: “Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes”. (I Co 1,29)

Esta era a mensagem pregada por Pedro e João, os apóstolos pescadores, gente simples que não cresceu aos pés dos rabinos da época, nem freqüentaram as melhores escolas, mas que se tornaram apóstolos, líderes da igreja de Jesus e pregadores corajosos. Como disseram aqueles que os conheceram:

"Vendo a coragem de Pedro e de João, e percebendo que eram homens comuns e sem instrução, ficaram admirados e reconheceram que eles haviam estado com Jesus." (At 4,13)

4 – A hora e a vez dos que crêem

A melhor e talvez única defesa do evangelho são os homens e mulheres que estão sendo salvos a medida que atendem a palavra da cruz: "Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus." (I Co 1,18)

A grande notícia para os fracos, pobres e de pouca sabedoria humana é que a salvação veio para os que crêem na mensagem da cruz de Cristo, pura e simplesmente.

“Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que crêem por meio da loucura da pregação.” (I Co 1,21)


5 - Para que toda a glória seja do Senhor Jesus!

“Quem se gloriar, glorie-se no Senhor” (I Co 1,31)

Este conhecimento da graça do evangelho tira de nós toda a tentativa de mérito em nossa própria salvação e garante que toda a glória seja dada ao único que merece, o Senhor Jesus Cristo.

Maravilhosa graça que traz esperança aos humildes e cala a boca dos arrogantes; maravilhoso Reino que é edificado pelos fracos e imperfeitos; maravilhosa mensagem que a ninguém priva o seu entendimento, maravilhoso amor que brota no coração daqueles que simplesmente crêem.

“Assim diz o Senhor:“Não se glorie o sábio em sua sabedoria nem o forte em sua força nem o rico em sua riqueza, mas quem se gloriar, glorie-se nisto: em compreender-me e conhecer-me, pois eu sou o Senhor e ajo com lealdade,com justiça e com retidão sobre a terra,pois é dessas coisas que me agrado”, declara o Senhor.” (Jr 9,23-24)

Nenhum comentário: